As queimaduras são divididas em três tipos: primeiro, segundo e terceiro grau. No primeiro caso, a lesão atinge superficialmente a pele, na região da epiderme, o que acarreta em vermelhidão e dor na área. O segundo tipo provoca bolhas e dor elevada, e quando atinge regiões profundas, pode provocar bolhas brancas e secas, além de dor menos intensa. No estágio do 3º grau, o processo de queimadura é indolor e atinge todas as camadas da pele, além de estruturas mais profundas. O tratamento da queimadura vai depender da gravidade, do quadro e do tempo do acidente. Nas queimaduras de 1º e 2º grau, o paciente é acompanhado em ambulatório por um médico assistente. Nas de 2º grau profunda e 3º grau, pode ser necessária a internação hospitalar em decorrência das repercussões sistêmicas causadas pela gravidade da lesão. Ao passar bastante tempo do acidente, não há risco iminente de vida como em casos agudos. Entretanto, de acordo com o tipo e a extensão da queimadura, as sequelas podem afetar a parte estética e funcional do paciente, o que acarreta em danos emocionais. A cirurgia plástica pode melhorar tanto o aspecto visual como recuperar os movimentos naturais do corpo, ou seja, melhora a qualidade de vida do paciente.